Direto de Manaus

Manaus será um laboratório para o Brasil

Foi o que disse o prefeiturável Arthur Neto, ao jornalista Walter Brito (foto com Arthur Neto), em entrevista exclusiva durante o último debate do segundo turno, na TV Amazônica, afiliada da Globo em Manaus.

Renata Fan e Galvão

Por Walter Brito

Terminou ontem (26) os debates da televisão, quando a rede Amazônica, trouxe a Manaus, o jornalista e advogado Heraldo Pereira, para mediar o último debate da campanha no segundo turno, disputado por Arthur Neto e Vanessa Grazziotin.

Dividido em três blocos, o debate começou por meio de uma pergunta de Arthur Neto dirigida à sua adversária, referente à Lei de Responsabilidade Fiscal. Como o PT votou contra, Vanessa se perdeu e tentou uma saída, se colocando a favor de uma possível Lei, chamada por ela de Lei de Responsabilidade Social. Vanessa afirmou ainda que o médico, o enfermeiro e o professor, por exemplo, precisam receber um bom salário para desempenhar o seu papel! “A Lei de Responsabilidade fiscal, limita gastos com a saúde pública, educação e outras áreas”, declarou Vanessa.

Arthur rebateu afirmando que a lei direciona os gastos públicos e que o gestor não pode ficar gastando dinheiro a toa. Referente às possíveis demissões, consequências do limite dos gastos públicos, alegadas por Vanessa, Arthur foi enfático: “Caso eu seja eleito prefeito de Manaus, não vou demitir ninguém. Entendo que para entrar na prefeitura é preciso fazer concurso público”, disse.

O debate esquentou, quando a senadora afirmou em alto e bom som, que Arthur não tem boa relação com a Santa Casa de Misericórdia de Manaus, mas, sim com a Casa de Misericórdia de São Paulo, onde ele teria direcionado uma emenda parlamentar no valor de cem mil reais.

Arthur Neto não deu importância e minimizou o assunto dizendo: “Eu parei o Congresso Nacional para propor uma emenda de 60 milhões de reais para o HEMOAM”, disse. O referido recurso de fato foi usado para a ampliação e modernização da Fundação Hospitalar de Hematologia e Oncologia de Manaus.

Renata Fan e Galvão

Como nos debates anteriores, a senadora continuou tentando comparar o governo do PT, de quem a comunista tem apoio, com o governo do FHC, que Arthur foi líder.

Nessa seara, Vanessa questionou o tucano referente a construção de casas populares em Manaus, alegando que nada fizeram na cidade, bem como a negação de apoio do Governo FHC à Zona Franca de Manaus. Nesse sentido, Vanessa, imitando o ex-presidente Lula, arrematou dizendo em linguagem de futebol: “O meu time, vocês sabem quem é. É o time que está desenvolvendo o Brasil, a qualidade de vida das pessoas e aumentando o salário mínimo. Isso tem propiciado, que a nossa Zona Franca se desenvolva, gerando cada vez mais empregos”, disse.

Arthur aproveitou a linguagem popular e disparou: “O meu time é o povo de Manaus ao meu lado e do Hissa, nas ruas da cidade”, concluiu.

O tucano disse também que se ele for eleito participará do programa “Minha Casa, Minha Vida”, para construção de moradias para o povo menos favorecidos da cidade.

Quando à Zona Franca de Manaus, ele disse que sempre foi um defensor inconteste e continuará nessa luta.

Quando foi anunciado o tema de Meio Ambiente, o projeto da senadora amazonense, não empolgou muito os jornalistas presentes no auditório da TV Amazônica. Enquanto que, a fala do tucano teve uma boa repercussão: “Pretendo estimular cada morador de Manaus a plantar uma árvores de frente a sua casa, que terá um abatimento no IPTU”, disse. Com essa proposta Arthur pretende incentivar a população a transformar Manaus na cidade mais arborizada do país, dentre outras ações citadas pelo candidato.

Outro momento que esquentou o debate, cujo tema já havia sido citado no debate anterior, foi à acusação da senadora Vanessa, de que o Arthur teria dito que derrotaria os caciques da Assembléia de Deus. Virgílio foi categórico: “Eu não disse isso senadora e vou repetir, o que disse. Tenho o maior respeito pelos fiéis da Assembléia de Deus e seus pastores e lideres. Eu disse sim, que vou derrotá-la dentro da Assembléia de Deus”, arrematou.

Entrevista exclusiva

Renata Fan e Galvão

Ao final, Arthur concedeu entrevista exclusiva a este repórter, ao lado de seu vice Hissa Abrão e seus assessores.

Ele comentou o debate e disse que achou muito bom, com uma grande audiência e principalmente pelo fato, de ser conduzido pelo competente jornalista e advogado Heraldo Pereira, o que permitiu a colocação de diversos pontos, que interessam ao povo. “Eu procurei falar mais na prática objetiva do Governo, ou seja, como pretendo governar a cidade. Nesse sentido, usarei a minha experiência administrativa em prol da capital amazonense. Tentei passar para os telespectadores, o que de fato pretendo fazer, mostrando o diagnóstico da cidade e as possibilidades de melhorá-la de forma efetiva e dentro da realidade”, disse.

Quando, o questionamos sobre a afirmativa da senadora, argumentando que ele teria enviado uma carta ao presidente FHC, informando que tirou das ruas, cerca de oito mil camelôs e, demitiu 30% dos servidores públicos municipais, na ocasião em que foi prefeito, Arthur foi categórico. “Eles são assim, sempre agredindo. Tenho o maior carinho pelos camelôs de Manaus e acredito que terei 80% dos votos da classe. Por outro lado, a Vanessa e seu grupo, gostam de aparelhar a máquina pública, nomeando a torto e a direito, comissionados, o que traz ineficiência e gastos desnecessários. Eu não vou demitir ninguém. Eu vou realocar os servidores, ou seja, onde tem gente de mais, vou colocar no lugar onde tem gente de menos. Eu quero uma máquina funcional, que se Deus quiser, será governada por duas pessoas ágeis, que sou eu e o Hissa Abrão’, disse.

Ele afirmou ainda, caso seja eleito, transformará Manaus num novo modelo de administração, que será um exemplo, um laboratório para todo o Brasil. “Pretendo fazer um laboratório administrativo de Manaus para o Brasil. Vou governar Manaus de forma exemplar, de forma apaixonada e tentarei chegar à perfeição, quando a nossa cidade passará a apresentar indicadores melhores; mulheres protegidas; melhor qualidade de vida; mais verde; lixo resolvido; água resolvida; revitalização do centro da cidade; colocarei Manaus de frente para o Rio e de frente para o mundo, por meio da Copa de 2014”, disse.

O prefeito finalizou, agradecendo a presença do senador Aécio Neves em seu último comício. “A presença de Aécio no último comício foi muito boa e ele falou muito bem, o que foi bom para mim e fiquei muito feliz. Foi também a demonstração de que o PSDB está solidário com a nossa luta. Durante muito tempo ficamos sozinhos e, finalmente veio o apoio, e de forma efetiva. Obrigado Aécio”, finalizou.