O destino de um bandeirante

  • Júnior do Friboi e o Governador de Pernambuco Eduardo Campos

  • Por WB

    A trajetória de José Batista Júnior, o popular Júnior do Friboi, se confunde com a história de Formosa-GO, onde o seu pai, o Zé Mineiro, iniciou uma das histórias mais bonitas e emocionantes da vida empresarial brasileira

    Formosa é uma cidade hoje com cerca de 100 mil habitantes, localizada às margens da BR 020 e distante 70 km de Brasília. Surgiu no século XVlll , época áurea do ouro, funcionando estrategicamente como corredor que levava aos garimpos de Luziânia, Cristalina e Paracatu.

    Passada esta fase de caça ao tesouro, o comércio de gado prosperou às margens do Rio Paranã. Entretanto, a malária, o mal que não perdoava ninguém, afastava os compradores que vinham à busca dos rebanhos, que já eram considerados de primeira qualidade. Por isso, os nativos foram tocados para lugares seguros, onde davam maiores garantias aos seus clientes formados basicamente por portugueses e paulistas, vindos do litoral. Eles negociavam com os negros do nordeste goiano, principalmente de Flores de Goiás, Sítio D' Abadia, Posse entre outros. Era a luta pela sobrevivência, onde o gado era a matéria prima.

    O primeiro entreposto de vendas surgiu próximo a uma cachoeira, denominada anos depois como, Cachoeira do Itiquira. Com o tempo, o comércio de gado teve o seu apogeu e os proprietários, foram obrigados a procurar lugar mais adequado para os acampamentos de seus clientes, preferencialmente próximo às nascentes com água potável. Logo, a localidade escolhida passou a se chamar Rua dos Crioulos, devido ao grande número de casas feitas de couro, cujos proprietários eram os descendentes da escravidão e comerciantes de gado.

    Tudo isto se deu por volta de 1841, quando a Rua dos Crioulos, hoje Alves de Castro, ficou pequena para o movimentado comércio. A partir daí, casas de couro se espalharam por todos os lados, transformando aquela localidade em Arraial dos Couros, Formosa dos Couros, Formosa Imperatriz e finalmente Formosa.

    Não imaginavam os negros comerciantes de gado, que os seus sucessores, revolucionariam o mundo, por meio do comércio iniciado por eles, transformando-o na mais moderna agroindústria do planeta terra, com a marca JBS/SA. Esta empresa fatura 100 bilhões de reais por ano, três vezes superior ao orçamento do estado de Goiás.

    Vale ressaltar que a empresa surgida em Formosa em 1950, sob a batuta de José Batista Sobrinho, o popular Zé Mineiro, é hoje uma multinacional, terceira empresa em faturamento no País, perdendo apenas para a Petrobras e a Vale do Rio Doce.

    Zé Mineiro, auxiliado à época por Lauro Caetano, começou suas atividades com um açougue, quando surgiu a oportunidade de fornecer carne para as empresas que construíram Brasília. O açougue ficou insuficiente e foi montado um frigorífico. O negócio deu certo e outros foram inaugurados na região.

    Os filhos de Zé Mineiro foram criados no trabalho, com determinação e simplicidade. Logo, aprenderam o caminho da prosperidade. José Batista Júnior, o mais velho, tomou as rédeas do negócio e, em 25 anos, transformou o negócio que o pai iniciou, numa empresa que abraçou o mundo. Com sua missão cumprida, depois de mostrar a sua competência na iniciativa privada, ele quer usar a sua experiência para transformar Goiás, numa potência econômica. Em vistas disto ele declinou de seu cargo na presidência das empresas e se prepara para entrar na política e disputar o governo em 2014.

    Para sucedê-lo na direção da JBS-Friboi foi escolhido o irmão mais jovem, nascido em Formosa em 1974, Joesley Mendonça Batista, será o novo rei da carne no planeta terra.

    Quis o destino, que após ter transformada uma pequena empresa formosense, na maior indústria de carne bovina do mundo, o empresário José Batista Júnior, 51 anos, volta o seu olhar para o desenvolvimento efetivo de Goiás, tal qual suas empresas. Pretende elevar Goiás num dos mais prósperos estados do Brasil, caso seja escolhido nas urnas em 2014. Segundo ele, não existe estado rico com cidades pobres. “Quero ser o gestor do estado de Goiás” e minhas prioridades são:

      1° Enxugar a máquina e os gastos públicos;
         2° Capacitar os servidores para serem grandes fornecedores de mão de obra;
         3° Criar sub-capitais para distribuir riqueza pelo estado;
         4° Gerar condições para a industrialização do agronegócio.

    Foi com esta disposição, que o bom filho retornou a sua terra natal, no dia 25 de novembro de 2011, quando foi recebido com muita alegria por lideranças de diversos partidos, sob a organização do PSB, do qual é vice-presidente em Goiás. Estiveram presentes no evento, o vice-prefeito de Formosa, Jair de Paiva, o ex-deputado estadual Ernesto Roller (PMDB), pré-candidato a prefeito da cidade, com o total apoio de Júnior.

    Outras lideranças da região que foram abraçar o pré-candidato a governador pelo PSB foram: Bem Neto do PSB de Santo Antônio do Descoberto, Wagner Gualberto, presidente do PSB de Flores de Goiás, Carla Wanies do PSC da Cidade Ocidental, o vereador Domingos Pinheiro dos Santos, presidente do PSB em Vila Boa, Bernardino Arnaldo Alves, presidente do PSB em São João Da Aliança e, o formosense Fabrício de Paiva, tesoureiro do PSB em Goiás.

  • Empresário Bem Neto


  • O empresário do mercado financeiro em Brasília, Bem Neto, pré-candidato a prefeito pelo PSB em Santo Antônio do Descoberto disse que: “José Batista Júnior, será a redenção do povo goiano e certamente, sua experiência no mundo dos negócios, elevará Goiás ao topo do desenvolvimento no País. A região do Entorno de Brasília, sempre foi órfã de pai e mãe, ou seja, nunca teve apoio nem de Goiás e muito menos de Brasília. Com a possível vitória de Júnior em 2014, abrirá uma luz no fim do túnel e, os 22 municípios da Região Metropolitana de Brasília, dentre eles, Santo Antônio do Descoberto, sairão da escuridão”.



  • Wagner Brito e Júnior do Friboi

  • O ex-prefeito de Flores de Goiás, Wagner Gualberto de Brito, pré-candidato a prefeito daquele município, afirmou que a inteligência de Júnior, não é usada somente no mundo dos negócios e certamente está presente na política. “José Batista Júnior é um vencedor como empresário nos quatro cantos do mundo. O sucesso não mudou sua cabeça de homem de princípios e companheiro leal. Enquanto ele subia os degraus de sua vida empresarial, levou consigo, os descendentes daqueles que ajudaram o seu pai no inicio da vida. Dentre os quais, tomo a liberdade de citar o formosense doutor Florisvaldo Caetano, pessoa de destaque em suas empresas. Ressalto, que Florisvaldo é filho de Lauro Caetano, parceiro de Zé mineiro nas décadas de 50 e 60.

    Preparado para entrar na política, continua Wagner, a inteligência e a lealdade de Júnior, pesaram ao escolher o também formosense, Fabrício de Paiva como um de seus principais auxiliares no mundo da política. Com Júnior governador, Fabrício será o embaixador do Entorno e Nordeste Goiano, regiões esquecidas pelo poder público. Fabrício conhece o DNA das duas regiões como ninguém. Estou com Júnior e não abro.

    Finalizo afirmando: O destino encaminhou Júnior pelo mundo, como se fosse um bandeirante, vendendo os produtos de suas empresas. Deu certo. Acredito que Júnior colocará Goiás na rota do desenvolvimento e da fartura. Esse é o destino do bandeirante do século XXl”, concluiu.

    Página Inicial