Encontro de secretários do DF com empresário ligado a Carlinhos Cachoeira foi para tratar do lixo, diz porta-voz

  • Agnelo Queiroz

  • UOL Notícias

    Roberta Lopes

    Da Agência Brasil, em Brasília

    O porta-voz do governo do Distrito Federal, Ugo Braga, explicou hoje (13) que o encontro entre o ex-diretor da construtora Delta Cláudio Abreu – que seria ligado ao empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira - e os secretários de Governo do Distrito Federal, Paulo Tadeu, e de Saúde do DF, Rafael Barbosa, foi uma reunião para tratar de problemas relacionados à questão do lixo.

    A reunião teria ocorrido em um restaurante em Brasília, no dia 7 de abril de 2011, período em que Paulo Tadeu acumulava as tarefas da Casa Civil dentro da Secretaria de Governo. A secretaria da Casa Civil foi criada posteriormente.

    Segundo o porta-voz, a Delta estava enfrentando problemas para entrar no lixão e também com o recebimento de faturas. “Uma empresa prestadora de serviço pediu para falar com o secretário que cuida da área e o assunto que se tratava era o serviço prestado”, disse logo após a entrega da reforma da Central de Material Esterilizado e inauguração da Sala de Cirurgia Inteligente do Hospital de Base do Distrito Federal.

    Braga negou que haja proximidade entre o ex-diretor da empresa e os secretários de governo que participaram da reunião. De acordo com Braga, o secretário de Saúde fez a intermediação porque ele havia feito parte da coordenação de campanha do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz.

    Barbosa negou hoje que tenha qualquer relação com o empresário Carlinhos Cachoeira. “Acho que 80% da cidade usa o telefone para cobrar alguma coisa do secretário de Saúde e no dia que essas pessoas estiveram num grampo, meu nome vai aparecer. Agora, quando eu estiver tratando de coisas escusas num grampo, podem me cobrar uma resposta. Nunca encontrei com o Carlinhos Cachoeira”.

    O porta-voz voltou a dizer que o governador foi apresentado ao empresário Carlinhos Cachoeira enquanto ainda era diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) durante a visita a uma laboratório farmacêutico em Anápolis (GO).

    Questionado sobre a denúncia, o governador Agnelo Queiroz não quis comentar sobre o assunto e respondeu que tem “muito o que fazer”. “Eu estou cuidando de Brasília e meu porta-voz está falando sobre isso”.

    As declarações ocorreram depois que gravações da Operação Monte Carlo, que investiga um esquema ilegal de jogos em Goiás, vazaram para a imprensa. Numa delas, o secretário de Saúde, Rafael Barbosa, é citado por Cláudio Abreu. Nessa mesma gravação, o governador e o ex-diretor do Serviço de Limpeza Urbana de Brasília (SLU), João Monteiro – exonerado na última semana – também são citados.

    Segundo informações divulgadas na imprensa, os diálogos gravados pela Polícia Federal, com autorização judicial, indicam que a construtora Delta pagou propina para receber o pagamento de serviços prestados ao governo do Distrito Federal. A construtora é responsável pela coleta de lixo em Brasília.

    Cachoeira foi preso em fevereiro por atuação em jogos ilegais e Cláudio Abreu foi demitido em março deste ano.