Brizola foi o primeiro líder político preocupado com a negritude brasileira


O saudoso Leonel Brizola entre Albuíno Azeredo e Alceu Collares

Por: Walter Brito

Leonel de Moura Brizola foi de fato um grande estadista. Ele se preocupou com o desenvolvimento humano em todos os aspectos, quando governou o Rio Grande do Sul e o Rio de Janeiro. Ao criar o PDT, Brizola fez questão de colocar de forma ampla na carta programática do partido, a integração do negro e do índio no processo de desenvolvimento do país. Naquela oportunidade, Brizola reconhecia que o nosso país era um dos mais racistas do planeta.

Nesse sentido, o saudoso ex-governador Leonel Brizola, ampliou a discussão, por meio da eleição para a Câmara Federal de afrodescendentes de proa, como: Carlos Alberto de Oliveira, Abdias Nascimento. Na mesma legislatura, foi eleito pelo PDT do Rio de Janeiro, o índio Juruna, representando a comunidade indígena na Câmara Federal. Agnaldo Timóteo foi eleito deputado federal pelo PDT, em 1986. Carlos Alberto de Oliveira, é o autor da lei 7.716, que torna o racismo crime inafiançável. Abdias do Nascimento, além do seu belo desempenho na Câmara Federal, conscientizando os diversos segmentos da sociedade brasileira sobre a importância do combate ao racismo, ele também escreveu história como senador da República pelo PDT, ao substituir Darcy Ribeiro, de quem era primeiro suplente.


O saudoso Abdias do Nascimento entre Carlos Alberto de Olveira e a saudosa Edialeda do Nascimento

É importante ressaltar, que Brizola foi o primeiro governador a nomear representantes da comunidade negra para secretarias importantes como: A médica Edialeda do Nascimento, que ocupou a Secretaria de Estado da Promoção Social, no primeiro governo de Brizola no Rio de Janeiro; o Coronel Carlos Magno Nazareth Cerqueira, secretário e comandante da Polícia Militar do Rio de Janeiro; Carlos Alberto de Oliveira – Caó, secretário de Trabalho e da Habitação em 1982.

Brizola também lutou com todas as forças para ajudar a eleger pelo seu partido, o PDT, Alceu Collares para governador do Rio Grande do Sul (1991 – 1995) e Albuíno Azeredo, para governo do Estado do Espírito Santo (1991 – 1995), ambos afrodescendentes e miltantes da causa negra. Como se vê, o velho caudilho, Leonel Brizola, deixou o seu legado na luta contra o racismo e a igualdade entre os povos de todas as etnias

O governador Rodrigo Rollemberg do DF, eleito com o apoio efetivo do PDT, tem como exigência para composição de seu secretariado, o quesito competência acompanhado de um bom currículo, preferencialmente que os indicados sejam mestres ou doutores em suas respectivas áreas. Nesse sentido, acreditamos que os mestres e doutores afrodescendentes do PDT e da base aliada, tenham o seus currículos avaliados com muito cuidado, pelos comandantes do governo “Geração Brasília”. Aguardamos com grande expectativa o entendimento do governo que tem como prioridade, colocar em prática, o que exige a nova ordem mundial.


Rodrigo Rollemberg entre o saudoso Coronel Cerqueira o Coronel Leonardo Sant'Anna da PMDF

Comenta-se nos bastidores da política candanga, a indicação para a Segurança Pública do DF, do afrodescendente e Coronel da Polícia Militar, Leonardo Sant’Anna, que tem na sua bagagem, um currículo que o credencia para o posto, bem como projeto consistente para sanar os graves problemas que afligem a segurança pública do Distrito Federal. Especializado nas maiores academias de segurança pública do mundo, o Coronel Sant’Anna é fluente em inglês e espanhol

Veja a trajetória do Coronel Sant’Anna na segurança pública: